| Presidente Prudente/SP

Exposição excessiva ao sol prejudica componentes do veículo

Da Redação

Em 28/12/2017 às 17:52

Motorista deve estar atento à saúde ao dirigir em dias quentes

(Foto: Cedida/AI)

A sensação de entrar em um carro que ficou estacionado sob o sol no verão não é das melhores. A temperatura interna chega a dobrar em relação à externa dependendo do tempo em que o veículo ficou exposto ao sol. Essa exposição excessiva ao tempo em dias quentes pode causar danos à estética do veículo, em componentes da cabine e até mesmo afetar a parte mecânica. 
 
Vidros verdes ou com aplicação de película protetora diminuem o efeito do sol. Mas, para segurança do condutor e passageiros, a instalação de películas protetoras deve estar de acordo com a legislação. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) estabelece limites de transmissão luminosa que não podem ser inferiores a 75% para o para-brisas e de 70% para os demais vidros.
 
A infração é de natureza grave, com multa de R$ 195,23, retenção do veículo como medida administrativa para regularização e inclusão de cinco pontos na carteira de condutor. Ainda que a película ajude a conservar bancos, painel e borrachas, a hidratação destes componentes com produtos disponíveis no mercado para esta finalidade contribui para sua durabilidade.
 
Atenção também ao motor do veículo. Se o medidor de temperatura no painel de instrumentos indica aquecimento elevado, o melhor a fazer é parar o veículo e esperar o propulsor esfriar. Se o condutor estiver longe de seu destino, o ideal é acionar um mecânico. Usar fluidos próprios ao invés de água é uma medida preventiva, já que a ação do cloro e de outros minerais são prejudiciais ao sistema de arrefecimento do motor.  
 
Manter os pneus calibrados no período de calor também ajuda a minimizar os prejuízos provocados pelas altas temperaturas e influencia na economia de combustível também. O melhor é calibrá-lo antes da viagem. Outra dica é respeitar o prazo do fabricante para fazer o alinhamento e o balanceamento.
 
Pintura
 
Deixar o carro muito exposto ao tempo compromete peças de plástico, carpete, puxadores e o painel. A temperatura de dentro do veículo, que pode chegar a 70 graus, pode causar ressecamento dos componentes.
 
Minimizar os efeitos negativos do calor excessivo ao veículo é possível com simples medidas. O Observatório Nacional de Segurança Viária recomenda, por exemplo, o uso de tapa sol sempre que o veículo não estiver estacionado em local coberto, pois são eficientes na absorção do calor e auxiliam no controle da temperatura interna do veículo. 
 
Cuidar da pintura do carro é outra regra indispensável ao motorista preocupado com a aparência de seu automóvel, principalmente se o veículo passa a maior parte do tempo descoberto. O recomendável é proteger a pintura com ceras automotivas. 
 
Motorista também deve se proteger do calor
 
Mais importante que cuidar do veículo exposto ao calor, o próprio motorista deve estar atento à saúde ao dirigir em dias quentes. O cuidado principal é ao entrar no carro.
 
Para diminuir o impacto de temperaturas elevadas, o recomendável é abrir as portas e deixar o ar externo circular por cinco minutos pelo menos antes de dirigir, como orienta a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet).  
 
Um erro comum é ligar o ar condicionado logo ao entrar no veículo quente. O ideal é conduzir o automóvel com os vidros abertos para a troca de ar e, em trajetos curtos, desligar o ar pouco antes de sair do veículo e andar com os vidros abertos, para evitar choque térmico.  
 
Ainda segundo a Abramet, os profissionais do transporte, seja de veículos leves ou pesados, estão ainda mais expostos aos efeitos nocivos da radiação solar e do calor produzido nas cabines pelos motores. Sem os cuidados devidos, existem riscos de lesões imediatas e de problemas de saúde tardios, no entanto, irreversíveis.  
 
Apesar de não haver um estudo específico sobre a falta de cuidados de motoristas que têm ampla exposição ao sol, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) estima que 69% das pessoas não cuidam da pele nestas condições. 
 
A radiação ultravioleta (UV) e infravermelha (IV) oferecem danos à pele e aos olhos. O calor produzido pela radiação solar, e mesmo pelo aquecimento ambiental produzido por motores, está associado a duas outras doenças que são a insolação e a internação.  
 
Dirigir entre as 10h e 16h, atividade inevitável para motoristas profissionais, produz efeitos pelo pico de radiação solar como queimaduras e alergias na pele. Ao longo dos anos, esta rotina pode provocar o envelhecimento precoce, causado pela lesão das fibras elásticas da pele, e até câncer. Os primeiros sinais de danos à pele são ardência, vermelhidão e descamação. 
 
“Simples medidas como o uso de filtro solar e de roupas protetoras podem prevenir estes problemas”, orienta o coordenador de Saúde e Segurança no Trabalho da concessionária Cart, Nivaldo Bautz.  
 
Nos olhos, existe o risco de problemas na retina e até a catarata. Em casos mais graves, o comprometimento ocular causa danos na retina, cristalino e córnea, que podem levar à perda da visão. O uso de óculos com proteção UV é o mais indicado para motoristas cuidarem da saúde da visão.  
 
Paradas para descanso
 
O asfalto retém calor e isso, somado à incidência do sol no teto do, veículo faz com que a temperatura interna da cabine aumente significantemente. “Além dos cuidados para conservação do automóvel, diante das altas temperaturas, é necessário que o motorista se preocupe com a hidratação e faça paradas para descanso ao longo do trajeto para evitar a fadiga”, salienta Bautz. 
Compartilhe
Notícias Relacionadas

Rua Catharina Venturim Peretti, 171

Mário Amato - Presidente Prudente-SP

Telefones: 18-3909 3629 | 18-98122 7428

© Portal Prudentino - Todos os direitos reservados.